Diabetes

A diabetes tipo 2 é um fator de risco importante para a doença cardiovascular.

Descubra como prevenir a diabetes, como é feito o diagnóstico e quais são os riscos associados.

A diabetes mellitus é diagnosticada quando os níveis de açúcar no sangue são mais elevados do que o habitual em várias ocasiões. Os níveis normais são 126 mg/dL ou mais para o açúcar no sangue em jejum e 200 mg/dL ou mais para o açúcar no sangue sem jejum. Em caso de dúvida, é realizado uma prova de tolerância à glicose oral (PTGO). Consiste na ingestão de glicose e, após duas horas, na medição da resposta do organismo (níveis de açúcar no sangue). Se os níveis de açúcar no sangue estiverem mais altos do que o normal após duas horas, a diabetes é diagnosticada. Se o resultado for normal, o diagnóstico de diabetes é excluído. Outra análise de sangue que pode ser solicitada pelo médico é a hemoglobina A1c glicada (Hb A1c). Este é um marcador dos níveis de glicose a longo prazo, em que os níveis de 6,5% ou mais sugerem diabetes.

Existem dois tipos de diabetes: o tipo 1 é caracterizado por pouca ou nenhuma insulina e manifesta-se geralmente durante a infância, ao passo que na diabetes 2, que se manifesta na idade adulta, os níveis de insulina são normais ou reduzidos e o corpo resiste aos seus efeitos.

Nove em cada dez doentes com diabetes sofrem de diabetes tipo 2, o que encurta a vida, em média, dez anos. Também reduz o número de anos vividos com boa saúde, devido a doenças cardíacas precoces. Como doença de estilo de vida, a diabetes tipo 2 está fortemente ligada à falta de atividade física e à obesidade.

A diabetes tipo 2 pode ser prevenida através de atividade física, dieta equilibrada e peso saudável. Tenha como objetivo 30 a 60 minutos no mínimo de atividade física, três dias por semana, totalizando no mínimo 150 minutos. Durante o exercício deve suar, mas manter a capacidade de dizer frases curtas. Um estilo de vida fisicamente ativo pode ser iniciado a qualquer momento. No entanto, antes do início de um programa de treino regular, deve ser realizado um teste de esforço físico máximo pelo médico responsável pelo tratamento, para identificar uma possível doença cardíaca ou vascular e determinar a frequência cardíaca máxima necessária para adaptar uma prescrição de treino individual e segura.

Uma alimentação saudável para o coração é rica em fruta, nozes e legumes e pobre em carne e gordura saturada. Comer bem ajuda a manter um peso saudável e reduz os riscos de diabetes tipo 2 e doença cardíaca.

ESC
EAPC
ACCA
ACNAP