Colesterol

Curioso por saber o que é o colesterol?

O colesterol é usado pelo corpo para formar e manter células saudáveis, mas níveis elevados de colesterol podem aumentar o risco de doença cardíaca.

 

O que é o colesterol?

O colesterol é uma substância cerosa e gordurosa existente no sangue. O organismo produz uma determinada quantidade de colesterol, principalmente no fígado, e o restante vem da ingestão de produtos de origem animal, como carne vermelha, queijo, manteiga e ovos. O colesterol é a principal componente das membranas celulares (a barreira externa das células) e a matéria-prima de muitas hormonas e vitaminas. Como tal, o colesterol é necessário para a vida e para a saúde. Como material gorduroso, o colesterol não combina com água. Isto significa que não pode flutuar livremente no sangue e tem de se juntar a determinadas proteínas. Estas proteínas são chamadas lipoproteínas, sendo as mais comuns a lipoproteína de baixa densidade (LDL) e a lipoproteína de alta densidade (HDL).

Colesterol LDL

A LDL é uma lipoproteína vital responsável pelo transporte de colesterol dentro do sangue através do corpo. No entanto, a maioria das pessoas tem níveis de LDL muito elevados, que provavelmente se acumula dentro das paredes dos vasos onde fica presa e se modifica. Isto representa o início da formação da chamada “placa aterosclerótica”. Estas placas podem crescer em qualquer vaso do corpo, incluindo no coração, pernas e cérebro. Quanto mais colesterol estiver preso dentro da placa, mais esta cresce. Quando fica suficientemente grande para bloquear parcialmente o fluxo sanguíneo nos vasos cardíacos, pode causar sintomas como “angina” (desconforto torácico) durante o exercício. Uma artéria totalmente bloqueada que fornece sangue ao coração leva a um ataque cardíaco, a primeira causa de morte no mundo ocidental.

Os níveis muito elevados de colesterol LDL (> 190 mg/dL; > 5 mmol) devem levar a um diagnóstico adicional, uma vez que pode estar perante hipercolesterolemia familiar (ver abaixo). As mudanças no estilo de vida podem diminuir o seu LDL em cerca de 10-15%. Se isso não for suficiente para atingir os valores alvo, medicamentos como estatinas, ezetimiba ou inibidores de PCSK9 podem ser adicionados (consultar o capítulo sobre medicação).

Colesterol HDL

Geralmente chamado de “bom colesterol”, uma vez que os altos níveis de HDL estavam antigamente ligados a menos casos de doenças cardíacas e vasculares. No entanto, esta visão tem vindo a ser alterada nos últimos anos. Os números HDL por si só não nos dizem nada sobre a qualidade do HDL, que não é medido através um teste de laboratório comum. Além disso, em estudos realizados concluiu-se que a medicação que aumentou os níveis de HDL não levou a menos doenças cardíacas. Portanto, os níveis de HDL não devem ser utilizados para analisar o risco, incluindo as chamadas “razões” que sugerem que o HDL elevado pode equilibrar os níveis elevados de LDL.

Lipoproteína(a) (Lp(a))

A Lp(a) é outra lipoproteína, que ainda não é amplamente conhecida nem medida, embora seja um forte fator de risco para a doença cardíaca. Encontrará os seus níveis de Lp(a) dados como mg/dL (nível desejável < 30 mg/dL) ou mmol/L (nível desejável < 75 mmol/L). O valor Lp(a) é definido pelos genes e não muda muito ao longo da vida. Por isso, é geralmente suficiente medi-lo apenas uma vez. Atualmente não há muitas terapias disponíveis para reduzir os níveis de Lp(a) e incluem: 1) inibidores da PCSK-9: anticorpos para diminuir o colesterol LDL que também reduzem os níveis de Lp(a) em aproximadamente 30%; 2) aférese: uma forma de diálise que remove a Lp(a) do corpo. Poderão ser necessárias terapias se continuar a ter episódios do foro cardíaco, como ataques cardíacos, colocação de stents ou cirurgia de bypass apesar de um nível baixo de colesterol LDL. As opções de tratamento devem ser avaliadas em clínicas especializadas em lípidos.

Triglicerídeos

Os triglicerídeos são a forma mais comum de lípidos no corpo, usados principalmente para armazenamento de lípidos. Níveis elevados de triglicerídeos têm sido associados a doenças cardíacas e fatores de estilo de vida, incluindo diabetes, excesso de peso e obesidade, consumo de álcool, bem como um estilo de vida sedentário. Estes níveis fornecem informações adicionais sobre o risco. As terapêuticas concentram-se em mudanças no estilo de vida, incluindo controlo da diabetes, prática de desporto, redução da ingestão de álcool e otimização da ingestão de alimentos, incluindo uma dieta rica em ácidos gordos Omega 3. Os medicamentos redutores de triglicerídeos incluem fibratos. Estes podem ser necessários em caso de doença cardíaca grave, níveis baixos de LDL e triglicéridos elevados após alterações do estilo de vida.

Hipercolesterolemia familiar (FH)

O que é a FH?

A hipercolesterolemia familiar (FH) é uma das doenças genéticas mais comuns caracterizadas por níveis muito elevados de colesterol, especialmente o colesterol LDL, que leva a doenças cardíacas graves nos jovens. Um defeito genético numa das proteínas envolvidas na absorção de LDL para o fígado causa níveis muito elevados de LDL no sangue.

Hoje em dia, sabemos que a FH é mais comum do que se pensava, afetando aproximadamente 1 em 200 a 1 em 300 indivíduos. A FH é uma chamada “doença autossómica dominante”, o que significa que a doença estará presente mesmo com apenas um gene afetado. Os filhos de um pai ou mãe afetada têm 50% de hipótese de herdar o gene e a doença.

As pessoas afetadas têm níveis muito elevados de colesterol LDL entre 190mg/dL (5 mmol/L) e 400 mg/dL (10 mmol/L) e sofrem de doenças cardíacas, ataques cardíacos e AVC em idade jovem. As pessoas com FH desenvolvem normalmente doenças cardíacas por volta dos 40 anos devido aos altos níveis de colesterol LDL ao longo da vida. Como doença genética, a FH “corre na família”, o que significa que a doença cardíaca precoce (<55 anos para os homens, <60 anos para as mulheres) na família e/ou membros da família com colesterol LDL de > 190 mg/dL deve levar à suspeita de FH. Outros sinais podem ser depósitos de colesterol amarelo visíveis em diferentes lugares, como à volta das pálpebras (xantelasma), um anel “amarelado” à volta da íris do olho e/ou nos tendões das mãos e cotovelos e, com mais frequência, o tendão de Aquiles e outros tendões dos pés.

Sofro de hipercolesterolemia familiar?

Apenas um teste genético pode comprovar a presença de FH, no entanto, o diagnóstico pode ser feito mesmo sem testes genéticos.

Se tem colesterol elevado (LDL-C>190 mg/dL é equivalente a >5mmol/L) ou depósitos de colesterol na pele, olhos ou tendões, se a sua família tem história de colesterol LDL elevado (LDL-C>190 mg/dL é equivalente a >5mmol/L) e se você ou um dos membros da sua família sofreu um ataque cardíaco, um acidente vascular cerebral, uma cirurgia de bypass ou colocação de stents coronários antes dos 55 a 60 anos de idade, deve consultar um especialista em cardiologia focado no tratamento lipídico, um endocrinologista ou a unidade ambulatória especializada em lípidos no seu hospital.

Tratamento

Uma vez diagnosticada hipercolesterolemia familiar num membro da família através de um teste genético, todos os membros da família devem ser informados e submetidos a um teste. Herdar o gene FH significa que uma pessoa se encontra em alto risco de doenças cardíacas, pelo que uma mudança de estilo de vida e medicamentos hipolipemiantes devem ser iniciados sem demora, mesmo em tenra idade! Quando encontrada e tratada precocemente, a doença cardíaca pode ser retardada durante décadas. Em doentes com FH sem doença cardíaca ou vascular, o colesterol LDL deve estar abaixo de 100 mg/dL (2,5 mmol/L), em doentes com FH com doença cardíaca ou vascular deve ser mantido mais abaixo, abaixo de 70 mg/dL (1,8 mmol/L).

As mudanças de estilo de vida incluem uma alimentação saudável para o coração, exercício físico regular e não fumar de nenhuma forma, e devem ser iniciadas sem demora. Como as mudanças de estilo de vida geralmente reduzem os níveis de LDL-C em cerca de 10 s 15%, serão necessárias terapias adicionais de redução de lípidos (geralmente estatinas). Nunca é demais salientar que o diagnóstico precoce e o tratamento são fundamentais para evitar ataques cardíacos desnecessários e prematuros que afetam drasticamente a vida dos jovens.

 

ESC
EAPC
ACCA
ACNAP